Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Unbelievable

 

No meu colégio do buraco financeiro, começo amanhã as aulas. Até aqui tudo muito bem, não fosse o caso de… EU AINDA NÃO TER O HORÁRIO!!!

 

Será isto possível?! Estarei eu fora de órbita?! Ou o colégio mudou de planeta e ninguém me informou?!

 

Depois não é de admirar que o colégio esteja a ser sugado pelo buraco negro (leia-se buraco financeiro)!

É que a desorganização tem vindo a estender os seus tentáculos por todo o colégio cá de uma maneira… Ah, mas a culpa não é dos profes!!! Nós somos ali apertadinhos e não podemos fugir da linha!

Mas em compensação direcção e auxiliares é cá um descambanço! Oié!!!

 

Esta tarde, lá vai a escrava de serviço – ou seja eu – andar feita tonta a preparar a primeira aula e testes diagnósticos. Já para não falar das planificações, às quais tenho dedicado 100% do meu precioso tempo de mini-férias, e que já nem posso ver à frente! Argh!

 

Bom, após fazer várias diligências para saber tão preciosa informação, recebi um email super elucidativo e o qual passo a transcrever:

 

4ª feira:  4º, 1º e 3º por esta ordem…”

 

(assinatura)

 

Perceberam batatas? Yap! Super esclarecedor… O que vale é que eu estava dentro do contexto. Espectáculo de horário!!! Não acham?!

 

Em conclusão, estou furibunda porque que organizar o meu trabalho e dar andamento à coisa mas a entidade suprema está a suprimir-me um elemento importante.

 

Vou ali teclar qualquer coisinha (quer-se dizer preparar alguns materiaizinhos para amanhã) e já volto, tá?

 

 

Uma Gaja Abespinhada Fica Assim!

Estou danada, irritada, farta e a sentir-me sei lá como! As pessoas não se organizam e estão a ficar piradas da batatinha e que paga é aqui a AEC(a)!

 

Ponto um - estou farta de trabalhar, farta de avaliações, de reuniões, merdinhas e merdices (desculpem os palavrões mas hoje apetece-me mesmo!)

 

Ponto dois - tenho de fazer a avaliação e selecção dos manuais para o "convento" e não estou minimamente inspirada para a coisa e, pior, nenhum deles me está a apelar à vontade de andar com eles para trás e para a frente.

Os que são giros e bons para trabalhar são caros e com a crise, os pais queixam-se, os directores queixam-se e aqui a teacher que tem de trabalhar com eles, tem de fazer omeletes com ovos, digamos, de galo.

 

Ponto 3 - quando pensava que ia ter uma semanita assim, vá, mais calma, levei ontem com um mail do director do outro colégio a perguntar pelos livros de ponto. Mas qual livro de ponto?! O gajo não compra os do ministério, usa umas folhas ranhosas, que por acaso este ano nem nos entregou nenhumas!

Sumários?! Tenho e não são poucos. Estão é acompanhados das minhas planificações de aula. Se ele quiser fotocopiar tudo... tá à vontade mas depois não se queixe que tá a gastar muito dinheiro.

 

Ponto 4 - ó senhor director, não sabe que o meu contrato termina amanhã?! Ah pois é! E não sabe que a reunião de avaliação - onde devem ser discutidas não só as avaliações mas também os problemas - foi a semana passada? Ah pois é! e que direito é que tem de me mandar a mim e aos outros colegas um mail a convocar uma reunião para fazer mais uma avaliação (não sei de quê) e contar-nos sobre as queixas feitas pelos papás no final do ano?! Ah pois é! Não é o senhor que manda no colégio mas os pais que mandam em si, daí o caos estar a instalar-se de mansinho, minando tudo e todos. Um dia destes vai estar sozinho a tomar conta dos meninos... ai vai, vai!

 

Ponto 5 - preciso de paz e sossego e não ser incomodada por merdinhas e merdices. Já dei o meu litro, que foi mais do que a conta, e por isso, quero gozar um pouco do dolce fare niente. é que para a semana começa a beach season com o convento. God gracious!

 

P.s. - desculpem as minhas lamúrias...

Crime and Punishment

             

Estava a ser um dia tão bonitinho – exceptuando a parte dos espirros matinais – até chegar ao meu último tempo lectivo. Hoje foi dia de festa…

 

Comecei o dia tão bem, tranquilamente, e até apanhei uns chuviscos na cabeça para afastar as ideias negativas.

Arranjei-me toda – material e indumentária a vestir – e arranquei para a escola depois de almoço.

 

Dois dedos de conversa com as minhas colegas e distribuição de beijos pelos miúdos até chegar a minha hora de começar. Correu tudo bem até chegar ao último tempo.

Cheguei à sala, depositei as coisas, a minha colega abandonou a sala e a minha rotina começa. Quer-se dizer, a muito custo pois os miúdos estavam horríveis, mas lá começou. Abertura de lição, lista de chamada, verificação do homework, rever a matéria dada para confirmar se ficou alguma coisa naquelas moléculas e eis que acontece mais uma situação espectacular.

 

Mandei o A. tirar as coisas da mochila - como se não fosse autónomo – para começar a trabalhar, 15 minutos passados do início da aula. Este só funciona assim. Só falta eu ir lá escrever por ele, mudar as folhas, etc.

Assim que tirou o caderno da mochila, chamou-me com uns péssimos modos, como se estivesse a chamar um cão… só faltou assobiar!

Chamei-lhe a atenção e disse-lhe que não era nenhuma animal para me chamar assim. É então que se dá a catástrofe…! Ouve-se na sala alguém dizer “é quase…”

 

- Ok! Pára tudo, ninguém se mexe! Quem foi que disse isto?! - Silêncio de cortar à faca… Os cobardes serão sempre cobardes!

- Ai ninguém se acusa? C. vai chamar o director!

- Ó teacher não…!

 

Obviamente fiz ouvidos de mercador. O director chegou já informado da situação. Entrou com um ar raivoso e exigiu que o cobarde se acusasse ou então iriam ficar sem intervalo até ao fim do ano. Mas a palavra cobarde diz tudo, certo? É preferível os colegas pagarem as favas por aquilo que não fizeram do que o cobardolas assumir aquilo que fez.

 

O director ficou especado a observá-los – não deve ter gostado nada de ver que passado 1 minuto eles se estavam a c*g*r para ele –à espera de ouvir uma resposta. Chamou à atenção de alguns deles e depois informou-os que só sairiam dali quando os pais os viessem buscar. Caras de pânico, em geral.

A mim, mandou-me sair pois estava na minha hora.

 

Então, o que acharam disto? Serão estes meninos um espectáculo como diz a professora titular, ou são todas as professoras (AECs, sala de estudo, intervalo, etc.) que estão erradas? Se as rédeas tivessem sido puxadas desde o 1º ano as coisas seriam assim? O que irá acontecer à turma do 1º ano em que ela vai pegar? Transformar-se-ão em mini-delinquentes? A ver vamos de quem é o mal…